translate traduzir traducir
Opinião

Os Milhões da Arena Amazonas vs. Colapso na Saúde Pública

"Queremos hospitais padrão FIFA - Manifestante criticando a construção dos estágio de futebol para a copa do mundo de 2014 no Brasil" / Reprodução de imagem: altfg.com
"Queremos hospitais padrão FIFA - Manifestante criticando a construção dos estágio de futebol para a copa do mundo de 2014 no Brasil" / Reprodução de imagem: altfg.com
- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

De acordo com relatório do TCU em julho de 2010 foram iniciadas as obras da Arena Amazonas, em que foram investidos inicialmente o valor de R$ 499.508.704,17. Mas, agora em 2020 a Saúde Pública do estado está em situação de calamidade, o que trás de volta da discussão sobre imoralidade dos gastos públicos na copa de mundo no Brasil em 2014.

Em setembro de 2011 o TCU apresentou relatório sobre os riscos nas construções dos estádios para a Copa de 2014, o qual apontou que:

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

“Algumas sedes correm o risco de ter estádios que serão “elefantes brancos” após a Copa. Em 4 cidades-sede observou-se que o risco da rentabilidade gerada pela arena de não cobrir seus custos de manutenção era grande: Natal, Manaus, Cuiabá, e Brasília” (Brasil. TCU, 2011, p. 14).

Além disso, o Tribunal de Contas da União identificou superfaturamento na construção da Arena Amazonas, pois em seu relatório de junho de 2012, indicou que:

“Após auditoria realizada nos projetos executivos da obra de reconstrução da Arena Manaus e discussão com os técnicos do governo do Estado do Amazonas, o Tribunal concluiu pela existência de sobrepreço de R$ 86,5 milhões no orçamento da obra” (Brasil.TCU, 2012, p. 25).

Entretanto, mesmo assim as obras da Arena Amazonas foram finalizadas e em março de 2014 o novo estádio foi inaugurado. Nesse contexto, baseando-se nas informações do Sistema de Acompanhamento de Obras do Governo do Estado (SICOP) o portal Acrítica informou que o custo total final do mesmo foi de R$ 757,5 milhões de reais.

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

Atualmente por causa da Pandemia do novo Coronavírus de acordo com dados do Ministério da Saúde até o dia 09 de maio o estado do Amazonas possui 11.925 casos confirmados e 962 óbitos, com uma taxa de mortalidade de 232% e taxa de letalidade de 8%, a qual é superior a medida do Brasil que é de 6,8%.

Na reportagem do Conexão Repórter o jornalista, Roberto Cabrini, exibiu reportagem mostrando a realidade dos hospitais da cidade de Manaus. Assim, ele identificou alguns problemas como: falta de equipamento de proteção individual (EPIs) para os profissionais da saúde, atraso dos salários dos enfermeiros, pacientes hospitalizados em leitos muito próximos, enterros em massa em valas coletivas, por causa das mortes em grande quantidade os corpos são colocados em contêiner e além de tudo isso foi identificada a compra superfaturada de respiradores.

Diante do exposto, é possível elencar alguns questionamentos como: Por que em 2010 a Saúde Pública do estado do Amazonas não foi prioridade? Os investimentos na construção da Arena Amazonas poderiam ser destinados para a construção de hospitais? Os custos com a manutenção da Arena Amazonas não poderiam contribuir na manutenção de hospitais? Será que em 2020 mortes não poderiam ser evitadas se todos os recursos gastos com o novo estádio fossem destinados para o fortalecimento do Sistema de Saúde do Amazonas?

Dessa forma, fica claro que os políticos deveriam pensar muito bem na hora de realizar investimentos utilizando o dinheiro público. Pois, decisões erradas podem gerar consequências muitos graves no futuro, principalmente para a população mais carente.

Assim, hoje os brasileiros cobram a falta de mais hospitais e mais qualidade nos já existem, se os milhões gastos para a copa no Brasil em 2014 tivessem sido gastos em áreas realmente importantes, o país estaria num cenário muito diferente e mais preparado para enfrentar os efeitos da pandemia do novo coronavírus.

LEIA TAMBÉM: Veja quais Estados têm maior Letalidade da Covid-19

Compartilhe:
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter

Ajude-nós a manter este site no ar para levar a voz conservadora cada vez mais longe. Clique no botão apoia.se e contribua com qualquer valor.

LEIA TAMBÉM:
- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

De acordo com relatório do TCU em julho de 2010 foram iniciadas as obras da Arena Amazonas, em que foram investidos inicialmente o valor de R$ 499.508.704,17. Mas, agora em 2020 a Saúde Pública do estado está em situação de calamidade, o que trás de volta da discussão sobre imoralidade dos gastos públicos na copa de mundo no Brasil em 2014.

Em setembro de 2011 o TCU apresentou relatório sobre os riscos nas construções dos estádios para a Copa de 2014, o qual apontou que:

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

“Algumas sedes correm o risco de ter estádios que serão “elefantes brancos” após a Copa. Em 4 cidades-sede observou-se que o risco da rentabilidade gerada pela arena de não cobrir seus custos de manutenção era grande: Natal, Manaus, Cuiabá, e Brasília” (Brasil. TCU, 2011, p. 14).

Além disso, o Tribunal de Contas da União identificou superfaturamento na construção da Arena Amazonas, pois em seu relatório de junho de 2012, indicou que:

“Após auditoria realizada nos projetos executivos da obra de reconstrução da Arena Manaus e discussão com os técnicos do governo do Estado do Amazonas, o Tribunal concluiu pela existência de sobrepreço de R$ 86,5 milhões no orçamento da obra” (Brasil.TCU, 2012, p. 25).

Entretanto, mesmo assim as obras da Arena Amazonas foram finalizadas e em março de 2014 o novo estádio foi inaugurado. Nesse contexto, baseando-se nas informações do Sistema de Acompanhamento de Obras do Governo do Estado (SICOP) o portal Acrítica informou que o custo total final do mesmo foi de R$ 757,5 milhões de reais.

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

Atualmente por causa da Pandemia do novo Coronavírus de acordo com dados do Ministério da Saúde até o dia 09 de maio o estado do Amazonas possui 11.925 casos confirmados e 962 óbitos, com uma taxa de mortalidade de 232% e taxa de letalidade de 8%, a qual é superior a medida do Brasil que é de 6,8%.

Na reportagem do Conexão Repórter o jornalista, Roberto Cabrini, exibiu reportagem mostrando a realidade dos hospitais da cidade de Manaus. Assim, ele identificou alguns problemas como: falta de equipamento de proteção individual (EPIs) para os profissionais da saúde, atraso dos salários dos enfermeiros, pacientes hospitalizados em leitos muito próximos, enterros em massa em valas coletivas, por causa das mortes em grande quantidade os corpos são colocados em contêiner e além de tudo isso foi identificada a compra superfaturada de respiradores.

Diante do exposto, é possível elencar alguns questionamentos como: Por que em 2010 a Saúde Pública do estado do Amazonas não foi prioridade? Os investimentos na construção da Arena Amazonas poderiam ser destinados para a construção de hospitais? Os custos com a manutenção da Arena Amazonas não poderiam contribuir na manutenção de hospitais? Será que em 2020 mortes não poderiam ser evitadas se todos os recursos gastos com o novo estádio fossem destinados para o fortalecimento do Sistema de Saúde do Amazonas?

Dessa forma, fica claro que os políticos deveriam pensar muito bem na hora de realizar investimentos utilizando o dinheiro público. Pois, decisões erradas podem gerar consequências muitos graves no futuro, principalmente para a população mais carente.

Assim, hoje os brasileiros cobram a falta de mais hospitais e mais qualidade nos já existem, se os milhões gastos para a copa no Brasil em 2014 tivessem sido gastos em áreas realmente importantes, o país estaria num cenário muito diferente e mais preparado para enfrentar os efeitos da pandemia do novo coronavírus.

LEIA TAMBÉM: Veja quais Estados têm maior Letalidade da Covid-19

Este site utiliza cookies para garantir a melhor experiência de navegação aos visitantes.

error: Conteúdo protegido!!!