- PUBLICIDADE -
translate traduzir traducir
Opinião

Obras públicas usadas como “curral eleitoral mascarado”

Charge curral eleitoral
Charge curral eleitoral
- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

As vivências de práticas eleitorais enraizadas em ações políticas que custeiam o apoio dos eleitores infelizmente ainda é uma realidade contínua no Brasil. Pois, o prazo de conclusão de obras públicas são postergados ao máximo possível, para que os políticos possam utilizar as mesmas como moeda de troca de voto.

O investimento de recursos através de políticas públicas relacionadas à obras de infraestrutura é uma forma de atender as necessidades na melhoria da qualidade de vida dos cidadãos. Assim, elas são relevantes para contribuir na diminuição da desigualdade social.

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

Nesse contexto de importância das obras para a vida das pessoas, os políticos, gestores executivos, fazem o possível para prolongar a conclusão das mesmas. Visto que, é uma maneira de obter votos, pois os eleitores tornam-se dependentes da conclusão dessas obras para que suas vidas possam ter alguma melhoria.

Um possível exemplo dessa ação de praticar o curral eleitoral disfarçado seria a obra da Transposição do Rio São Francisco, pois segundo Pontes (2018) o projeto dessa obra foi divulgado no ano de 2004, mas a mesma só foi iniciada em 2007 e a previsão do prazo para finalização dela seria no ano de 2010.

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

Entretanto, em dezembro de 2010 sobre o prazo de conclusão da obra o ex-presidente Lula finalizando seu mandato afirmou que:

“Está previsto agente inaugurar definidamente a obra até 2012, o que será a retenção da região mais sofrida do nordeste brasileiro e o povo do nordeste vai poder decidir a utilização dessa água”.

Posteriormente, a ministra do planejamento do segundo mandato de Lula, Miriam Belchior confirmou um novo prazo para conclusão da obra afirmando que:

“[…] as pessoas não percam as esperanças aquele pessoal tem fé, e o que posso dizer para eles é que a água vai chegar sim em 2015“.

Seguidamente em 2015, segundo reportagem do SBT Brasil, no dia 21 de agosto de 2015, Dilma afirmou que em 2016 a obra seria finalizada.

Em seguida, de acordo com Pontes (2018) com dez anos de atraso uma parte da obra nomeada de Eixo Leste foi concluída no ano de 2017. Além disso, a autora informa que o ministério responsável pela obra indicou um prazo para concluir a outra parte da mesma chamada de Eixo Norte seria no ano de 2018. Finalmente, apenas em 2020 na gestão de Jair Bolsonaro finalmente a obra está perto de sua conclusão.

É importante ressaltar que quando uma obra é abandonada, a sua estrutura tem fortes possibilidades de ser danificada, e consequentemente, esse fato gera mais trabalho e gastos para que a mesma seja restaurada e concluída.

Assim, os gestores políticos do poder executivo deveriam ter mais responsabilidades na execução de obras públicas, para que as mesmas não tenham seu prazo finalização tão estendido, bem como para que elas não sejam utilizadas como promessas de campanha.

Confira na íntegra a reportagem com as falas do ex-presidente Lula e a ex-ministra Miriam Belchior.

Compartilhe:
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter

Ajude-nós a manter este site no ar para levar a voz conservadora cada vez mais longe. Clique no botão apoia.se e contribua com qualquer valor.

LEIA TAMBÉM:

As vivências de práticas eleitorais enraizadas em ações políticas que custeiam o apoio dos eleitores infelizmente ainda é uma realidade contínua no Brasil. Pois, o prazo de conclusão de obras públicas são postergados ao máximo possível, para que os políticos possam utilizar as mesmas como moeda de troca de voto.

O investimento de recursos através de políticas públicas relacionadas à obras de infraestrutura é uma forma de atender as necessidades na melhoria da qualidade de vida dos cidadãos. Assim, elas são relevantes para contribuir na diminuição da desigualdade social.

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

Nesse contexto de importância das obras para a vida das pessoas, os políticos, gestores executivos, fazem o possível para prolongar a conclusão das mesmas. Visto que, é uma maneira de obter votos, pois os eleitores tornam-se dependentes da conclusão dessas obras para que suas vidas possam ter alguma melhoria.

Um possível exemplo dessa ação de praticar o curral eleitoral disfarçado seria a obra da Transposição do Rio São Francisco, pois segundo Pontes (2018) o projeto dessa obra foi divulgado no ano de 2004, mas a mesma só foi iniciada em 2007 e a previsão do prazo para finalização dela seria no ano de 2010.

- CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE -

Entretanto, em dezembro de 2010 sobre o prazo de conclusão da obra o ex-presidente Lula finalizando seu mandato afirmou que:

“Está previsto agente inaugurar definidamente a obra até 2012, o que será a retenção da região mais sofrida do nordeste brasileiro e o povo do nordeste vai poder decidir a utilização dessa água”.

Posteriormente, a ministra do planejamento do segundo mandato de Lula, Miriam Belchior confirmou um novo prazo para conclusão da obra afirmando que:

“[…] as pessoas não percam as esperanças aquele pessoal tem fé, e o que posso dizer para eles é que a água vai chegar sim em 2015“.

Seguidamente em 2015, segundo reportagem do SBT Brasil, no dia 21 de agosto de 2015, Dilma afirmou que em 2016 a obra seria finalizada.

Em seguida, de acordo com Pontes (2018) com dez anos de atraso uma parte da obra nomeada de Eixo Leste foi concluída no ano de 2017. Além disso, a autora informa que o ministério responsável pela obra indicou um prazo para concluir a outra parte da mesma chamada de Eixo Norte seria no ano de 2018. Finalmente, apenas em 2020 na gestão de Jair Bolsonaro finalmente a obra está perto de sua conclusão.

É importante ressaltar que quando uma obra é abandonada, a sua estrutura tem fortes possibilidades de ser danificada, e consequentemente, esse fato gera mais trabalho e gastos para que a mesma seja restaurada e concluída.

Assim, os gestores políticos do poder executivo deveriam ter mais responsabilidades na execução de obras públicas, para que as mesmas não tenham seu prazo finalização tão estendido, bem como para que elas não sejam utilizadas como promessas de campanha.

Confira na íntegra a reportagem com as falas do ex-presidente Lula e a ex-ministra Miriam Belchior.

Este site utiliza cookies para garantir a melhor experiência de navegação aos visitantes.

error: Conteúdo protegido!!!
Enable referrer and click cookie to search for pro webber